Entrevistas RD Summit – Emília Chagas. (Fundadora da Contentools)

ContentTools, fundada em 2012 – Focada em Mkt de conteúdo. Começaram fazendo a produção de conteúdo para outras empresas, e dps perceberam que os clientes não sabiam exatamente o que fazer com os conteúdos, então iniciou-se o desenvolvimento de um software (o Contentools) que cuida da estratégia completa de marketing digital. (CMP – Content Marketing Plataform)

A RD tem sua própria área de conteúdo. E tem uma área especial para conteúdos futuros de longo prazo. E usam a ferramenta da ContentTools.

 Assunto da palestra no RD Summit: Jornada de Compra, decidir quem é a persona. Não não se vende pra todo mundo.

Pergunta 1 | Marketing de conteúdo é para todo o tipo de empresa?

Sim, porém, é menos indicado para empresas que vendem produtos de decisão de compra rápida. Um exemplo simples é um vendedor de água. E é mais indicado para produtos que possuem um processo de decisão de compra mais complexo. Algo que envolva mais variáveis. É aí que o marketing de conteúdo entra para esclarecer essas variáveis e explicar o que pode ser difícil de entender.

Marketing de conteúdo ajuda a criar um fluxo de conversão. Desde “Como eu atraio esse cara?” até “Como ele vira nosso cliente?” E para quando temos uma venda mais simples, Coca-Cola é um baita exemplo, tem-se um apelo muito mais ao branding (apelo maior a marca).

Pergunta 2 | Quais são os passos para montar um bom plano de conteúdos? Ao mesmo tempo interessante e não só publicações gratuitas que não gerem conversões.

É um processo complexo.

Passo 1: seria pensar do ponto de vista do cliente, pensar na persona, qual a jornada ele percorre até chegar na minha empresa. Erro de muitas empresas é se fechar no escritório e achar que conhece sua persona.

“o mais importante de um conteúdo é ele ressoar, desde o título, o que tá escrito e o cliente pensar, “é pra mim, isso foi escrito pra mim””.

Passo 2: saber o que quer, a empresa seus objetivos. Emília recomenta a metodologia OKR. Que une sonhos e KPIs.

Próximos passos: boa pesquisa de palavras chaves, calendário editorial e time bem definido.

André Siqueira (Entrevistador), comenta que o tipo de conteúdo que ele mais curte fazer são os webnários ao vivo pelo hangout. Por que enquanto ele tá falando, as pessoas vão postando perguntas, e na maioria das vezes cada uma daquelas perguntas viram um conteúdo especial que é feito. Muitas vezes o que para a empresa é um conteúdo bobo, para o cliente não. A empresa se engana achando que determinado assunto é muito basicão, mas para o cliente, é um passo inicial de um processo que ele está tendo problemas.

Sugestão de livro: Made to Stick

Link: http://www.livrariacultura.com.br/p/made-to-stick-22126528

No livro, os autores comentam sobre a “Maldição do Conhecimento”, a partir do momento que você vira um expert em determinado assunto, você não tem mais a cabeça que não é mais expert. Ou seja, você usa termos que as outras pessoas não estão familiarizadas. Está usando termos atualizados e coisas assim. Mas na verdade o teu cliente não está tão atualizado como tu, e muitas vezes nem vai entender o que tu quiseste dizer. Outro exemplo é aquele professor que sabe muito, e tu sabe que sabe muito, mas ele não consegue passar o conteúdo bem, não consegue simplificar o assunto da aula.

Pergunta 3 |  Em aspectos práticos, modelo e estrutura, como você vê um bom conteúdo, como eu arquiteto um bom conteúdo que chame atenção e as pessoas gostem?

“Essa é a pergunta das perguntas.” Passa pela simplicidade, hoje estamos em uma fase que estamos dando mais valor para conteúdo que realmente são conteúdos, MAS, ao mesmo tempo, conteúdos objetivos, que respondem o tópico proposto, que a pessoa leia e consiga no exato momento colocar algo em prática. Seja um long post ou um short post. O valor do conteúdo está no seu conteúdo e não no tamanho do texto.

Intro pergunta 4: 

Conteúdos descobertos por conta própria. Pessoas acham que vão escrever algo levar e a galera simplesmente vai compartilhar muito. “Isso acontece de vez em nunca, famoso mito do viral.”

Pergunta 4 | O que você sugere em termos de distribuição de conteúdo? O que fazer para as pessoas chegarem ao seu conteúdo? O que fazer para que seu conteúdo chegue para cada vez mais pessoas?

Emília sugere tudo, diz que existe mais de 100 táticas de GROWTH HACKING, táticas de distribuição, de gerar volume.

3 principais canais.

1) Canal próprio, seja blog corporativo, site da empresa, domínio que você publica seus conteúdos, também são canais próprios, as redes sociais da empresa.

2) Canais pagos: face ads, google adw, fluxos de e-mails

3) Canais ganhos, canais que você conquista: parceiros, clientes. São canais que eu conquisto, faço conteúdos e eles compartilham e geram muito tráfego. São influenciadores.

 Importante verificar antes sobre se a empresa tem braço para tudo isso.

 André comenta que uma coisa que poucas empresas fazem bem é a união de assessoria de imprensa com o inbound markeing. Maior e-book, com mais hits, foi o “Marketing Digital para Empreendedores” por que teve matérias na pequenas empresas grandes negócios, exame, etc.

 Eles comentam que conteúdos no orgânico são bons e tem que ter, porém vai chegar um determinado momento que para ir para o próximo nível, deve-se investir em mídia paga, para dar um gás. André comenta que na RD, por mais que eles postem em tudo que é lugar (FB, Twitter, etc..) Nada converte mais do que a lista de e-mails. Emília complementa, concordando, que é muito importante ter uma lista de e-mails BEM segmentada, para que os e-mails possam ser enviados de forma personalizada. Isso sim é uma máquina de conversão. Newsletter pesadonas para a lista inteira, não está com nada. Ela comentou algo sobre o fim de e-mails, um tal de slack, não sei o que é.

Pergunta 5 | Quando você percebe que deve-se terceirizar esse serviço e quando deve-se fazer “in house”?

 Marketing de conteúdo para dar certo, deve estar 100% alinhado com os objetivos de negócio. Só vai dar certo se for algo muito sério.

A estratégia, não deveria terceirizar, deveria “pulsar” junto com o coração. Ela ainda tem resistência em terceirizar 100% o serviço de marketing de conteúdo. O acha legal, é terceirizar a operação, seja freela ou empresa. Principalmente para dar escala e conteúdo ao conteúdos. Mas se a empresa tem perfil, fazer in house é muito legal.

 Primeira coisa para fazer é documentar bem a estratégia, deve ter um “dono” dentro da empresa. A pessoa responsável (Content Manager). Emília ve como o perfil desse profissional um profissional tipo Gerente de Projetos. Não precisa ser o melhor editor, mas tem que ser um cara com muitos braços. (Polvo style).

 Emília e André frequentam muito eventos dentro e fora do BR.

Pergunta 6 | Por que um evento vale a pena? Por que uma pessoa deve investir em eventos?

É um grande aprendizado para a empresa, os eventos trazem o que existe de mais atualizado no mercado. O futuro.

No caso de empresas em stands, é uma geração incrível de lead. É a chance da empresa de abrir o capô do seu produto e mostrar pra todo mundo.

Outro ponto é a questão do networking, é tu conversar com um monte de empresas/pessoas que passou ou está passando pelos mesmos problemas que tu passaste ou está passando. É uma aceleradora.

É uma reenergizada, tirar resultados rápidos.

Pertunta 7 | Como você vê para o profissional do mkt digital se manter atualizado?

É um mercado muito dinâmico, muita atualização. Devemos se desapegar do conteúdos que aprendemos. Sempre tem uma nova corrida e uma nova montanha para se escalar.

Os melhores profissionais tem a técnica de testar tudo, lançou o periscope, devemos testar, e tirar as próprias conclusões e medir tudo.

Medir Medir Medir, “ah o periscope é péssimo” isso não me diz nada. medir.

Pergunta 8 | Quem são as pessoas que você segue e admira?

- Sean Ellis – SEO at https://growthhackers.com/ (Descobrir que porra é essa)

- Pessoal da ZenDesk tão fazendo um trabalho muito legal. (Marcio Arnecke, vai palestrar no RD.)

- Ela não curte acompanhar as Estrelinhas do mercado deles, ela curte acompanhar os DOers/Makers. Pessoal que tá botando a mão na lama.

- Joseph lamb – intercom?

- Trakto no brasil. Acho que é http://www.traktopro.com/

Mensagem final:

“Perder os “If”, e se eu fizer isso, e se eu fizer aquilo. Perder os IFs, tá pensando em fazer marketing de conteúdo. Pega e faz, não vai ser o melhor conteúdo da sua vida. Mas começa hoje, para de deixar pra depois e amanha. Amanhã é nunca.”

Resumo:

Vitor Consalter

Link original da palestra (não sei até quando fica online)

http://materiais.resultadosdigitais.com.br/transmissao-entrevista-emilia-chagas?utm_campaign=hangouts_summit__emilia_-_duplicado&utm_medium=email&utm_source=RD+Station

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>